Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994)

Foi ainda em meados dos anos 90, ali mais ou menos entre Wolfenstein 3D e Doom, que conheci Rise of the Triad (Apogee, 1994) — ou ROTT —, seguramente um dos principais precursores do gênero FPS. E recentemente consegui arrematar essa bela joia, uma das coletâneas de shareware em CD-ROM da Imagitec, com ROTT na capa e outros jogos de DOS.

Aliás, que linda cada. Quem conhece um pouco dos meus gostos no colecionismo retrô sabe que eu curto muito CD-ROMs de PC do início dos anos 90 e também coletâneas de shareware e freeware. Esse encarte é simplesmente lindo e carrega uma estética que me atrai muito nesse tipo de CD. Mais um que vai pra coleção. Mas vamos analisar cada cantinho desse encarte.

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

A começar pela Imagitec. Para quem não sabe, a Imagitec Multimedia Corporation (ou simplesmente Imagitec) foi uma empresa canadense que produzia coletâneas de shareware. Ela foi criada em 1994 e, pasmem, descontinuada dois anos depois, bem ainda na Era de Ouro da Multimídia no PC. Muitas de suas coletâneas foram vendidas nos Estados Unidos. E como todo CD do tipo que era vendido nos EUA, muitos chegavam aqui no Brasil por pessoas que viajavam para lá, ou através de kits multimídia, ou através de softhouses (leia piratohouses) e comerciantes de micros 386 e 486. Mais ou menos nessa época, em meados dos anos 90, eu era sócio de uma locadora de CD-ROMs para PC que tinha vários CDs de coletâneas, e eu ouvia muito essas histórias de como eles obtinham os títulos.

Voltando ao encarte, no canto superior esquerdo vemos o selo “Imagitec CD-ROM 6 Pack“, que mostrava que ali vinham seis jogos (no caso desse 6 Pack, além do Rise of the Triad vinha ainda Hocus Pocus, Alien Carnage, Monster Bash, Boppin e Wacky Wheels). Joguei bastante na época Alien Carnage e Hocus Pocus. Existiam ainda outras linhas, como a “Imagitec CD-ROM 20 Pack“, que tinha a mesma estética, porém trazendo vinte jogos.

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

No canto inferior esquerdo vemos o logo da grande Apogee Software, desenvolvedora de ROTT. Esse logo é muito nostálgico. A Apogee era por vezes sinônimo de jogos de MS-DOS de qualidade e adotava bastante o modelo de shareware na distribuição de seus títulos.

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

No lado direito do encarte vemos os outros cinco jogos já mencionados e, mais abaixo, outro selo, Imagination Station, que acompanha as coletâneas da Imagitec. Já no topo do encarte, vinha, sabe-se lá por quê, o descritivo “virtual reality” e mais um selo, Multi-Lingual Advantage, que indicava que o menu da coletânea estava disponível em vários idiomas, inclusive o português.

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

E falando em menu, mais uma curiosidade: a parte interna do encarte trazia um código (não chegava a ser um serial number, era um código mesmo), que servia para dar acesso ao menu para rodar os jogos (uma espécie de proteção bobinha criada pela Imagitec para dar mais legitimidade às suas coletâneas).

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS

Voyeur está na categoria de jogo-filme interativo. Lançado pela Philips Interactive em 1993 primeiramente para o Philips CD-i, o game ganhou em 1994 uma versão para MS-DOS pelas mãos da Interplay (essa que aparece na foto, que eu adquiri em uma feirinha de antiguidades) e uma para Mac pelas mãos da MacPlay.

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Em Voyeur o jogador assume o papel de um detetive particular contratado para encontrar provas que possam derrubar o corrupto Reed Hawke, interpretado no jogo pelo ator e roteirista americano Robert Culp (que faleceu em março de 2010).

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Na época o jogo se destacou pelos trechos de vídeo, que davam grande realismo ao jogo, e pelo conteúdo adulto, que incluía cenas bem picantes. É belíssimo também em termos de produto, com uma capa e com um encarte muito bem trabalhados.

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur faz parte da Era de Ouro da Multimídia no PC, período que eu simplesmente amo, quando havia muitas descobertas e experimentações em termos de entretenimento multimídia e de jogos interativos. O vídeo abaixo mostra o que estou tentando dizer.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Outpost (Sierra, 1994) para DOS e Windows 3.1

Outpost é um jogo de simulação de construção e gerenciamento (com uma bela pitada de ficção científica) lançado em 1994 pela Sierra On-Line para DOS e Windows 3.1 (e posteriormente, ainda no mesmo ano, para o Macintosh). Este é o CD-ROM original em inglês.

Outpost (Sierra On-Line, 1994) para DOS e Windows 3.1 | MARIO CAVALCANTI

O jogo tem perspectiva isométrica e nele o jogador está no controle de uma missão de colonização em um planeta, visto que a vida na Terra está perto da extinção devido a ameaça de um asteroide. Reza a lenda que um ex-cientista da NASA fez parte do time de game design de Outpost. O título teve uma continuação, chamada de Outpost 2: Divided Destiny.

Outpost (Sierra On-Line, 1994) para DOS e Windows 3.1 | MARIO CAVALCANTI

Outpost (Sierra On-Line, 1994) para DOS e Windows 3.1 | MARIO CAVALCANTI

Um jogo que é fruto de mais uma grande softhouse que fez sucesso entre micros domésticos dos anos 80 e nos PCs nos anos 90. Destaque para o encarte do CD. Gosto muito da arte.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996)

Eis um item da minha coleção de enciclopédias interativas e CD-ROMs educativos de PC. A Infopedia 2.0 foi lançada em 1996 pela SoftKey, consagrada editora e distribuidora de CD-ROMs para Windows e Macintosh que teve seu auge em meados dos anos 90. Dentre os CD-ROMs educativos da Era de Ouro do PC multimídia, os da SoftKey estão entre os que acho mais nostálgicos.

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

A enciclopédia traz nada menos que 200 mil registros, incluindo mais de cinco mil fotos, mais de 450 áudios e mais de 150 vídeos e animações, dentre outros informativos como mapas e gráficos. Compreende informações de diversas fontes, entre elas Hammond World Atlas e o dicionário Merriam-Webster. Seu subtítulo na capa dizia “The Ultimate Multimedia Encyclopedia and Reference Library” (“A Biblioteca de Referência e Enciclopédia Multimídia Definitiva”). Fez frente ao Encarta da Microsoft na época.

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

Para rodar a Infopedia 2.0, era preciso ter pelo menos um 486SX com 8MB de memória RAM e Windows 3.1 (ou Windows 95).

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997)

Também encontrado em uma feira de antiguidades aqui no Rio no mesmo dia em que encontrei o Total War, esse Star Trek: Starfleet Academy veio com encarte e com seus cinco CDs. Um belo encarte, por sinal, ainda carregando um pouco da estética dos anos 90. Essa é a versão original em inglês. Destaque para o logotipo da Interplay, sempre nostálgico.

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Em Starfleet Academy, o jogador assume o papel de um cadete na Academia da Frota Estelar (Starfleet Academy) que recebe aulas a fim de aprender o básico para comandar uma nave. Uma coisa bacana é que o jogo traz vídeos interativos estrelando personagens como Kirk e Sulu.

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Esse jogo não foi exclusividade do PC, tendo também versão para Macintosh, e em 1998 saiu uma versão em DVD-ROM.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Medieval: Total War Gold para PC (Activision, 2002)

Fala, pessoal! Recentemente consegui esse Medieval: Total War Gold Edition para PC em uma feirinha de antiguidades aqui no Rio. Ele estava assim mesmo, na caixa original e completo, com dois CDs, manual e o CD da expansão Viking Invasion. Essa é a versão lançada aqui no Brasil.

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

O Medieval: Total War foi desenvolvido pela The Creative Assembly e lançado pela Activision em 2002. O jogo, o segundo da série Total War, é do tipo estratégia em tempo real e é ambientado na Idade Média. CNão poderia deixá-lo para trás, ainda mais como fã das clássicas big boxes de papel (que começaram a deixar de existir mais ou menos nessa época, no início dos anos 2000. Hoje em dia vemos mais os jogos sendo lançados em caixas similares às do padrão DVD).

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

PC: 101 Jogos Inesquecíveis | Assista ao review do livro no YouTube

Fala, pessoal! A resenha em vídeo da vez é sobre o livro PC: 101 Jogos Inesquecíveis, lançado em agosto desse ano. A obra faz parte da coleção 101 Games da WarpZone. No vídeo também conto um pouco sobre quando comecei a usar PC. Clique na imagem abaixo para assistir no YouTube.

Assista ao review do livro "PC: 101 Jogos Inesquecíveis" no YouTube | MARIO CAVALCANTI

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Garimpo: Coleco Bowlatronic (1981); Caixas de som 2.1 da Troni

No último sábado (17) fui novamente à feira de antiguidades da Praça XV, um mercado de pulgas que acontece aos sábados no Centro do Rio de Janeiro. Os achados do dia foram um Bowlatronic da Coleco e um conjunto de caixas de som 2.1 com mini super woofer da Troni para PC. Ambos em ótimo estado.

O conjunto 2.1 da Troni usarei no meu Pentium MMX 233. Ele tem um controle de volume bacana e um super woofer (não exibe tanto grave quanto um subwoofer, mas dá conta do recado).

O Coleco Bowlatronic foi o achado do dia. Ele é um boliche eletrônico de 1981. Nessa época existiram vários joguinhos eletrônicos baseados em LEDs e em VFDs (Vacuum Fluorescent Displays) lançados por empresas como Radio Shack, Mattel e Entex Electronics. São mais ou menos contemporâneos (ou será que posso chamá-los de primos?) de linhas de minigames como Game & Watch, da Nintendo.

Ainda vou dar aquele trato, tirar poeira e tal, mas esse Bowlatronic está funcionando direitinho. O bichinho funciona com uma bateria de 9 volts (aquela retangular), tem 40 cm de comprimento, imita uma pista de boliche e é bem leve. Esse vai pra coleção.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Garimpo: Joystick QuickShot QS-201; Microsoft Dangerous Creatures etc.

Hoje retornei à feira de antiguidades da Praça XV, no Centro do Rio, e entre outros itens garimpei um Microsoft Dangerous Creatures (1994), um Corel PrintHouse (1995) e um joystick analógico de PC (conector padrão DB15) QuickShot QS-201 com quatro botões.

O QuickShot está em ótimo estado. Higienizei e testei ele. Está com os quatro botões funcionando (mais fotos abaixo). O Dangerous Creatures vai para a minha coleção de CD-ROMs da linha Microsoft Home. Essa linha reunia programas educativos e de entretenimento da Microsoft em disquetes e CD-ROMs, e teve seu auge entre 1993 e 1995.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Corrigindo automaticamente o aspect ratio no DOSBox

Uma das coisas que levo em consideração para uma emulação mais agradável de jogos antigos é o uso — quando possível — de uma TV de tubo. Não há nada mais bonito que um game clássico no brilho de uma CRT. Isso serve para consoles, micros e arcades.

Parto da filosofia de que games antigos foram feitos para TVs/monitores antigos e games novos foram feitos para TVs/monitores novos. Quando você coloca um no outro e o outro no um, dá até pra jogar, mas perde um pouco do encanto. No caso dos arcade games clássicos, por exemplo, títulos como Double Dragon, R-Type, Robocop, Black Dragon, ESP Ra.De., TMNT, Tiger Road, Fighting Fantasy, Magic Sword, Golden Axe e mais um monte deles ficam absurdamente lindos numa TV CRT.

Mas há outro fator que também levo muito em conta na hora de buscar uma experiência de emulação mais prazerosa: a proporção de tela (ou aspect ratio). Nada de jogo esticado ou encolhido. Se o aspect ratio do jogo é o 4:3 — proporção de tela conhecida como “janela clássica”, que é muito usada na televisão tradicional e em muitos monitores de computador —, vamos buscar reproduzir isso. Se ele foi concebido para 16:9, que assim seja. O que fica feio é rodar um jogo 4:3 esticado no seu monitor widescreen, ou ver um jogo que é “superwide” espremido na tela quase quadrada da sua TV antiga (a não ser que você não tenha outra televisão em mãos. Estamos falando aqui apenas de uma melhor experiência de emulação).

Por exemplo, veja como fica abaixo a tela inicial do jogo Raptor, do DOS, com a proporção de tela correta e incorreta.

Raptor com aspect ratio errado
Raptor com proporção de tela correta

Se você também curte jogos de DOS e costuma usar o emulador DOSBox, é fácil configurá-lo para corrigir automaticamente o aspect ratio. No caso usarei como exemplo a versão do DOSBox para Windows.

Por padrão, o config do DOSBox traz a opção de correção automática de aspect ratio desabilitada. O que vamos fazer é habilitar essa opção. Para isso — e supondo que você já tenha o emulador instalado e saiba manuseá-lo —, basta abrir a pasta do emulador no seu computador e depois abrir o atalho “DOSBox 0.74 Options”. Você pode fazer isso também clicando no menu inicial, rolando a tela até o ícone do DOSBox e abrindo o mesmo atalho.

O atalho irá chamar o Notepad (Bloco de Notas) já com o arquivo de configuração aberto (no caso, dosbox-0.74.conf), que é um arquivo de texto. Já nele, localize a propriedade “aspect” e mude seu valor para “true”. Ou seja, a linha que antes era “aspect=false” passa a ser “aspect=true”.

Depois, salve o arquivo de configuração, feche-o e execute o DOSBox. Veja abaixo algumas telas de antes e depois, e perceba que esse pequeno detalhe contribui para deixar a emulação mais próxima do proposto.

Doom com proporção errada
Tela inicial de Doom com proporção correta
Doom com aspect ratio errado
Doom com aspect ratio correto
Prince of Persia com proporção de tela incorreta
Prince of Persia com proporção de tela correta

Algumas versões do DOSBox para dispositivos móveis, como o aDOSBox do Android, já facilitam esse trabalho trazendo uma opção de menu para habilitar ou desabilitar a correção de aspect ratio, não exigindo abrir um arquivo de configuração. Dúvidas? Sugestões? Deixe um comentário aí embaixo. Sempre que possível, vou procurar abordar essa questão do aspect ratio em tutoriais sobre emulação.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.