Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994)

Foi ainda em meados dos anos 90, ali mais ou menos entre Wolfenstein 3D e Doom, que conheci Rise of the Triad (Apogee, 1994) — ou ROTT —, seguramente um dos principais precursores do gênero FPS. E recentemente consegui arrematar essa bela joia, uma das coletâneas de shareware em CD-ROM da Imagitec, com ROTT na capa e outros jogos de DOS.

Aliás, que linda cada. Quem conhece um pouco dos meus gostos no colecionismo retrô sabe que eu curto muito CD-ROMs de PC do início dos anos 90 e também coletâneas de shareware e freeware. Esse encarte é simplesmente lindo e carrega uma estética que me atrai muito nesse tipo de CD. Mais um que vai pra coleção. Mas vamos analisar cada cantinho desse encarte.

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

A começar pela Imagitec. Para quem não sabe, a Imagitec Multimedia Corporation (ou simplesmente Imagitec) foi uma empresa canadense que produzia coletâneas de shareware. Ela foi criada em 1994 e, pasmem, descontinuada dois anos depois, bem ainda na Era de Ouro da Multimídia no PC. Muitas de suas coletâneas foram vendidas nos Estados Unidos. E como todo CD do tipo que era vendido nos EUA, muitos chegavam aqui no Brasil por pessoas que viajavam para lá, ou através de kits multimídia, ou através de softhouses (leia piratohouses) e comerciantes de micros 386 e 486. Mais ou menos nessa época, em meados dos anos 90, eu era sócio de uma locadora de CD-ROMs para PC que tinha vários CDs de coletâneas, e eu ouvia muito essas histórias de como eles obtinham os títulos.

Voltando ao encarte, no canto superior esquerdo vemos o selo “Imagitec CD-ROM 6 Pack“, que mostrava que ali vinham seis jogos (no caso desse 6 Pack, além do Rise of the Triad vinha ainda Hocus Pocus, Alien Carnage, Monster Bash, Boppin e Wacky Wheels). Joguei bastante na época Alien Carnage e Hocus Pocus. Existiam ainda outras linhas, como a “Imagitec CD-ROM 20 Pack“, que tinha a mesma estética, porém trazendo vinte jogos.

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

No canto inferior esquerdo vemos o logo da grande Apogee Software, desenvolvedora de ROTT. Esse logo é muito nostálgico. A Apogee era por vezes sinônimo de jogos de MS-DOS de qualidade e adotava bastante o modelo de shareware na distribuição de seus títulos.

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

No lado direito do encarte vemos os outros cinco jogos já mencionados e, mais abaixo, outro selo, Imagination Station, que acompanha as coletâneas da Imagitec. Já no topo do encarte, vinha, sabe-se lá por quê, o descritivo “virtual reality” e mais um selo, Multi-Lingual Advantage, que indicava que o menu da coletânea estava disponível em vários idiomas, inclusive o português.

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

Imagitec CD-ROM 6 Pack com Rise of the Triad para MS-DOS (1994) | MARIO CAVALCANTI

E falando em menu, mais uma curiosidade: a parte interna do encarte trazia um código (não chegava a ser um serial number, era um código mesmo), que servia para dar acesso ao menu para rodar os jogos (uma espécie de proteção bobinha criada pela Imagitec para dar mais legitimidade às suas coletâneas).

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX

O Bee Card é um cartão de armazenamento de informação produzido ainda nos anos 80 pela japonesa Hudson Soft como forma de distribuição de software para os computadores da linha MSX. Ele tem dimensões de 8,5 cm x 5,5 cm, similares às de um cartão de crédito. Para usá-lo, é necessário ter um cartucho Bee Pack, que o usuário deve conectar em um slot do MSX. O Bee Card, por sua vez, é inserido no Bee Pack. Depois disso é só ligar o micro, e o jogo (ou programa) aparece na tela.

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Nas fotos estão o Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e o cartucho Bee Pack. Sempre gostei muito de cartões como forma de armazenamento de jogos, talvez por eles nunca terem existido oficialmente por aqui (mas eram extremamente populares no Japão). Quem viveu nessa época sabe que os meios de armazenamento que mais usávamos em micros domésticos e consoles clássicos eram fitas cassetes, disquetes e cartuchos.

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Além do MSX, consoles como Master System e PC Engine também tinham seus próprios cartões, e acho todos lindos. Inclusive, os famosos HuCards, os cartões do PC Engine, nasceram de uma colab entre Hudson SoftNEC (fabricante do PC Engine). Os HuCards são uma versão levemente mais fina dos Bee Cards.

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Apenas cerca de dez jogos e aplicativos foram lançados no formato Bee Card, incluindo um da Konami (Pooyan), o que não quer dizer que sejá fácil ou barato colecioná-los. Destaque para o logo da Hudson Soft no Bee Pack e no Bee Card. Sua abelhinha é nostálgica. Se tem logo da Hudson com abelhinha, eu curto.

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Bee Card do jogo Baseball Craze (Hudson Soft, 1984) e Bee Pack para MSX | MARIO CAVALCANTI

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS

Voyeur está na categoria de jogo-filme interativo. Lançado pela Philips Interactive em 1993 primeiramente para o Philips CD-i, o game ganhou em 1994 uma versão para MS-DOS pelas mãos da Interplay (essa que aparece na foto, que eu adquiri em uma feirinha de antiguidades) e uma para Mac pelas mãos da MacPlay.

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Em Voyeur o jogador assume o papel de um detetive particular contratado para encontrar provas que possam derrubar o corrupto Reed Hawke, interpretado no jogo pelo ator e roteirista americano Robert Culp (que faleceu em março de 2010).

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Na época o jogo se destacou pelos trechos de vídeo, que davam grande realismo ao jogo, e pelo conteúdo adulto, que incluía cenas bem picantes. É belíssimo também em termos de produto, com uma capa e com um encarte muito bem trabalhados.

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur (Interplay, 1994) para MS-DOS | MARIO CAVALCANTI

Voyeur faz parte da Era de Ouro da Multimídia no PC, período que eu simplesmente amo, quando havia muitas descobertas e experimentações em termos de entretenimento multimídia e de jogos interativos. O vídeo abaixo mostra o que estou tentando dizer.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Outpost (Sierra, 1994) para DOS e Windows 3.1

Outpost é um jogo de simulação de construção e gerenciamento (com uma bela pitada de ficção científica) lançado em 1994 pela Sierra On-Line para DOS e Windows 3.1 (e posteriormente, ainda no mesmo ano, para o Macintosh). Este é o CD-ROM original em inglês.

Outpost (Sierra On-Line, 1994) para DOS e Windows 3.1 | MARIO CAVALCANTI

O jogo tem perspectiva isométrica e nele o jogador está no controle de uma missão de colonização em um planeta, visto que a vida na Terra está perto da extinção devido a ameaça de um asteroide. Reza a lenda que um ex-cientista da NASA fez parte do time de game design de Outpost. O título teve uma continuação, chamada de Outpost 2: Divided Destiny.

Outpost (Sierra On-Line, 1994) para DOS e Windows 3.1 | MARIO CAVALCANTI

Outpost (Sierra On-Line, 1994) para DOS e Windows 3.1 | MARIO CAVALCANTI

Um jogo que é fruto de mais uma grande softhouse que fez sucesso entre micros domésticos dos anos 80 e nos PCs nos anos 90. Destaque para o encarte do CD. Gosto muito da arte.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Cartucho Rolling Thunder da Gradiente para NES (Namco / Tengen, 1989)

Foi no fliperama, ainda em meados dos anos 80, que primeiro conheci o clássico Rolling Thunder e sua divertida jogabilidade. Depois, nos tempos áureos do Nintendinho, já no final da década, tive o prazer de conhecer a bela conversão. Não tive o jogo na época, só o joguei alugado em locadoras de games.

Cartucho Rolling Thunder da Gradiente para NES (Namco, 1989) | MARIO CAVALCANTI

Cartucho Rolling Thunder da Gradiente para NES (Namco, 1989) | MARIO CAVALCANTI

Cartucho Rolling Thunder da Gradiente para NES (Namco, 1989) | MARIO CAVALCANTI

O cartucho da foto, de 72 pinos e lançado pela Gradiente, encontrei em 2017 em uma feirinha de antiguidade do Rio de Janeiro, e estava assim, com caixa e manual. Destaque para a bela arte presente no manual e no label, que abrilhantou mais ainda o cartucho e ilustra o velho enredo do herói salvando a mocinha.

Cartucho Rolling Thunder da Gradiente para NES (Namco, 1989) | MARIO CAVALCANTI

Cartucho Rolling Thunder da Gradiente para NES (Namco, 1989) | MARIO CAVALCANTI

Cartucho Rolling Thunder da Gradiente para NES (Namco, 1989) | MARIO CAVALCANTI

Cartucho Rolling Thunder da Gradiente para NES (Namco, 1989) | MARIO CAVALCANTI

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Xenon em cassete para o Commodore 64 (Mastertronic, 1990)

Meu gosto por Xenon começou ainda nos anos 80, quando conheci o port do ZX Spectrum para o MSX. O que eu achava fantástico, no entanto, não era seu gráfico (monocromático, mas bonito), muito menos sua jogabilidade (como em outros ports, era lenta), e sim sua música, que ainda hoje acho legal. A partir da revista inglesa Crash, pude ver como era o Xenon de outros micros da época, como Commodore 64, Atari ST e Amiga.

Xenon em fita cassete para o Commodore 64 (Mastertronic, 1990) | MARIO CAVALCANTI

Xenon em fita cassete para o Commodore 64 (Mastertronic, 1990) | MARIO CAVALCANTI

Para quem não conhece, o Xenon é um shmup desenvolvido originalmente em 1988 para o Atari ST pela The Bitmap Brothers e lançado pela editora/distribuidora australiana Melbourne House, que posteriormente foi comprada pela Mastertronic. Essa fita cassete do Xenon para o C64 foi trazida de Londres por um amigo há cerca de cinco anos, e custou apenas duas libras na época. Ela é de 1990 e faz parte da coletânea Mastertronic Plus (ou M Plus).

Xenon em fita cassete para o Commodore 64 (Mastertronic, 1990) | MARIO CAVALCANTI

Curiosamente, das capturas de tela que aparecem no verso do encarte, apenas a primeira é da versão do C64. As outras duas são de versões 16-bit (Atari ST ou Commodore Amiga). E isso fica mais evidente ainda por conta da mensagem no verso: “Screenshots may be taken from a different version” (“Capturas de tela podem ter sido tiradas de uma versão diferente”). Uma prática comum nesse período dos home computers era justamente mostrar um gráfico mais avançado para deixar o usuário/consumidor mais empolgado.

Xenon em fita cassete para o Commodore 64 (Mastertronic, 1990) | MARIO CAVALCANTI

Xenon em fita cassete para o Commodore 64 (Mastertronic, 1990) | MARIO CAVALCANTI

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996)

Eis um item da minha coleção de enciclopédias interativas e CD-ROMs educativos de PC. A Infopedia 2.0 foi lançada em 1996 pela SoftKey, consagrada editora e distribuidora de CD-ROMs para Windows e Macintosh que teve seu auge em meados dos anos 90. Dentre os CD-ROMs educativos da Era de Ouro do PC multimídia, os da SoftKey estão entre os que acho mais nostálgicos.

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

A enciclopédia traz nada menos que 200 mil registros, incluindo mais de cinco mil fotos, mais de 450 áudios e mais de 150 vídeos e animações, dentre outros informativos como mapas e gráficos. Compreende informações de diversas fontes, entre elas Hammond World Atlas e o dicionário Merriam-Webster. Seu subtítulo na capa dizia “The Ultimate Multimedia Encyclopedia and Reference Library” (“A Biblioteca de Referência e Enciclopédia Multimídia Definitiva”). Fez frente ao Encarta da Microsoft na época.

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

Para rodar a Infopedia 2.0, era preciso ter pelo menos um 486SX com 8MB de memória RAM e Windows 3.1 (ou Windows 95).

Infopedia 2.0 (SoftKey Multimedia, 1996) | MARIO CAVALCANTI

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997)

Também encontrado em uma feira de antiguidades aqui no Rio no mesmo dia em que encontrei o Total War, esse Star Trek: Starfleet Academy veio com encarte e com seus cinco CDs. Um belo encarte, por sinal, ainda carregando um pouco da estética dos anos 90. Essa é a versão original em inglês. Destaque para o logotipo da Interplay, sempre nostálgico.

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Em Starfleet Academy, o jogador assume o papel de um cadete na Academia da Frota Estelar (Starfleet Academy) que recebe aulas a fim de aprender o básico para comandar uma nave. Uma coisa bacana é que o jogo traz vídeos interativos estrelando personagens como Kirk e Sulu.

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Star Trek: Starfleet Academy para PC (Interplay, 1997) | MARIO CAVALCANTI

Esse jogo não foi exclusividade do PC, tendo também versão para Macintosh, e em 1998 saiu uma versão em DVD-ROM.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

Medieval: Total War Gold para PC (Activision, 2002)

Fala, pessoal! Recentemente consegui esse Medieval: Total War Gold Edition para PC em uma feirinha de antiguidades aqui no Rio. Ele estava assim mesmo, na caixa original e completo, com dois CDs, manual e o CD da expansão Viking Invasion. Essa é a versão lançada aqui no Brasil.

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

O Medieval: Total War foi desenvolvido pela The Creative Assembly e lançado pela Activision em 2002. O jogo, o segundo da série Total War, é do tipo estratégia em tempo real e é ambientado na Idade Média. CNão poderia deixá-lo para trás, ainda mais como fã das clássicas big boxes de papel (que começaram a deixar de existir mais ou menos nessa época, no início dos anos 2000. Hoje em dia vemos mais os jogos sendo lançados em caixas similares às do padrão DVD).

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Medieval: Total War para PC (Activision, 2002) | MARIO CAVALCANTI

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.

RetroCambuci, em SP, terá expositores e até campeonato de Atari 2600

RetroCambuci 2018 | MARIO CAVALCANTI

Fala, pessoal! No próximo sábado (11/08) vai rolar em São Paulo, no bairro do Cambuci, o RetroCambuci, evento organizado pelo amigo e pesquisador de games clássicos Marcus Garrett em conjunto com a loja Playtoy. O RetroCambuci é um pouco diferente dos encontros de retrocomputação que estamos acostumados a ver, porque ele segue o formato de feira (o que acho bem legal), com expositores ligados a consoles e micros clássicos (sou suspeito para falar, né? Adoro esse conceito de feiras como a RetroMadrid, que rola anualmente na Espanha). Eu só não estarei presente porque no dia 10/08 é meu aniversário, e vou estar com minha família (aqui no Rio) justamente no dia 11. Mas vamos às atrações!

Mesmo sem a minha presença, a primeira edição da revista Clube MSX estará no RetroCambuci. Os exemplares poderão ser adquiridos diretamente com o Marcus (dinheiro ou cartão de crédito), assim como exemplares das revistas Jogos 80 e Espectro. Entre os expositores confirmados estarão também a editora WarpZone, a Luccas Eletrônica, o Odyssey Brasil e a exposição Meu Primeiro Videogame. E haverá ainda um campeonato de Atari 2600 com direito a premiações (incluindo os livros do Marcus Garrett). É provável que tenha ainda alguma máquina arcade no evento para o público jogar. A entrada é franca.

SERVIÇO:

RetroCambuci 2018
Data: 11 de agosto de 2018
Horário: 10h às 17h
Endereço: Rua Senador Carlos Teixeira de Carvalho, 77, Cambuci – SP
Entrada franca

ATRAÇÕES:

• Campeonato de Atari com premiações (DVDs, camisetas, caneca, livros e outras surpresas!);
• Exposição e demonstrações de novos jogos desenvolvidos no Brasil para o console Odyssey;
• Vendas de produtos diversos tais como jogos, livros, pôsteres, revistas, brinquedos e artigos correlatos;
• Reparos de consoles/microcomputadores antigos feitos na hora – ligue seu Atari em uma TV moderna!
• Exposição “Meu Primeiro Video Game” com alguns consoles, entre eles N64, Super NES, Mega Drive, Ouya, Sega Saturn, Splicevision, 3DO, Xbox clássico e Twin Famicon.

Carioca, empreendedor e jornalista de games e de tecnologia. Escreve para publicações especializadas em games clássicos, é proprietário da loja virtual Retro Mall e editor da revista Clube MSX. Aqui no blog fala principalmente sobre itens do seu acervo de games, consoles e micros.